terça-feira, 31 de outubro de 2006

A alma e o baú

Tu que tão sentida e repetida e voluptuosamente te entristeces e adoeces de ti,
é preciso rasgar essas vestes de dó,
as penas é preciso raspar com um caco, uma
por uma: são
crostas...
E sobre a carne viva
nenhuma ternura sopre.
Que ninguém acorra.
Ninguém, biblicamente, com os seus bálsamos e olores...
Ah, tu com as tuas cousas e lousas, teus badulaques, teus ais ornamentais, tuas rimas,
esses guizos de louco...
A tua alma (tua?) olha-te, simplesmente.
Alheia e fiel como um espelho.
Por supremo pudor, despe-te, despe-te, quanto mais nu mais tu,
despoja-te mais e mais.
Até a invisibilidade.
Até que fiquem só espelho contra espelho
num puro amor isento de qualquer imagem
- Mestre, dize-me... e isso tudo valerá acaso a perda de meu baú?

De Mario Quintana, em Apontamentos de história sobrenatural.

2 comentários:

Wilson Rebelo disse...

Caro Paulo,
Achei interessante por demais teu comentário no blog do Reinaldo. Tomo a liberdade de reproduzí-lo em meu blog. Espero, caro amigo, que com isso esteja contribuindo, por pouco que seja, para lutar contra a maré que ameaça tragar a democracia no Brasil. Vamos permanecer nas trincheiras da liberdade. Por falar em trincheiras, você poercebe como os tempos são tão estranhos que somos obrigados a usar o jargão bélico para falar em plítica? Definitivamente, isso não é nada bom!

José Sangiuliano Neto disse...

Gostei do Blog. Vou acompanha-lo de quando em quando. Interessante que usamos exatamente o mesmo "template" em nossos blogs. Abracos, JSN